Current Date:outubro 31, 2020

Daniel Radcliffe responde a comentários de J. K. Rowling: “Mulheres trans são mulheres”

A criadora da saga Harry Potter causou revolta na internet após uma série de tweets com cunho transfóbico.

Daniel Radcliffe, o nosso eterno Harry Potter, publicou nesta segunda-feira (8) um texto de resposta aos tweets considerados transfóbicos feitos por J. K. Rowling.

Neste fim de semana, a criadora da saga do menino bruxo causou revolta na rede social após criticar o título do artigo do site Devex, “Criando um mundo mais igualitário pós-Covid-19 para pessoas que menstruam”.

J. K. comentou “‘Pessoas que menstruam’. Tenho certeza de que costumava haver uma palavra para essas pessoas. Alguém me ajude? Wumben? Wimpund? Woomud? [variações sarcásticas da palavra ‘woman’ (mulher em inglês)” . O pensamento da autora inglesa foi considerado preconceituoso, pois ignora a existência de homens transsexuais que menstruam, mulheres trans que não menstuam e reduz ser mulher apenas ao sistema reprodutivo.

Amplamente criticada, J. K. Rowling respondeu que a publicação não tinha o objetivo de ser ofensiva e que apoia a comunidade trans. “Respeito o direito de todas as pessoas trans de viverem da maneira que seja autêntica e confortável para elas. Eu protestaria com vocês se vocês fossem discriminados com base em serem trans. Ao mesmo tempo, minha vida foi moldada por ser mulher. Não acredito que seja odioso dizer isso.”

Nesta segunda (8), Daniel Radcliffe utilizou a plataforma do The Trevor Project — uma organização sem fins lucrativos com o objetivo de informar e prevenir o suicído entre jovens LGBT — para responder os comentários da escritora. O ator escreveu sobre a falta de conhecimento de J.K, a busca por mais informações acerca de como ajudar as pessoas transsexuais, pediu desculpas aos fãs da saga Harry Potter que se sentiram afetados e decepcionados pelas declarações, além de afirmar: “Mulheres trans são mulheres. Qualquer declaração que contrarie isso, apaga a identidade e a dignidade das pessoas trans…”.

Confira a tradução do texto publicado (acesse o original aqui):


“Sei que certos meios de comunicação provavelmente vão querer pintar isso como uma briga entre J.K. Rowling e eu, mas realmente não se trata disso, nem é  o que é importante no momento. Embora Jo seja inquestionavelmente responsável pelo curso que minha vida tomou, como alguém que teve a honra de trabalhar e continua contribuindo com o The Trevor Project na última década, e também apenas como ser humano, me sinto compelido a dizer algo a respeito neste momento.

Mulheres trans são mulheres. Qualquer declaração que contrarie isso, apaga a identidade e a dignidade das pessoas trans e vai contra todos os conselhos dados por associações profissionais de saúde que têm muito mais conhecimento nesse assunto do que Jo ou eu. De acordo com The Trevor Project, 78% dos transgêneros e jovens não-binários relataram ter sido objeto de discriminação devido à sua identidade de gênero. Está claro que precisamos fazer mais para apoiar pessoas trans e não-binárias, não invalidar suas identidades e não causar mais danos.

Eu ainda estou aprendendo a ser um aliado melhor; portanto, se você quiser se juntar a mim para aprender mais sobre identidades trans e não-binárias, consulte o Guide to Being an Ally to Transgender and Nonbinary Youth do The Trevor Project. É um recurso educacional introdutório que abrange uma ampla gama de tópicos, incluindo as diferenças entre sexo e gênero e compartilha as melhores práticas sobre como apoiar pessoas trans e não-binárias.

Para todas as pessoas que agora sentem que sua experiência com os livros foi manchada ou diminuída, lamento profundamente a dor que esses comentários lhe causaram. Eu realmente espero que você não perdido totalmente o que era valioso nessas histórias para você. Se esses livros lhe ensinaram que o amor é a força mais forte do universo, capaz de superar qualquer coisa; se eles lhe ensinaram que a força é encontrada na diversidade e que idéias dogmáticas de pureza levam à opressão de grupos vulneráveis; se você acredita que um personagem em particular é trans, não-binário ou gênero fluido, ou que é gay ou bissexual; se você encontrou alguma coisa nessas histórias que se relacionou com você e o ajudou em qualquer momento da sua vida – isso está entre você e o livro que você leu, e é sagrado. E na minha opinião ninguém pode tocar nisso. Isso significa o que significa para você e espero que esses comentários não danifiquem muito isso.

Com amor,
Dan